Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

GNOSCE TE IPSUM

17.03.14 | Maria João Brito de Sousa

 

 

Mote

 

“O coração diz-me: - Sim!

Eu digo… nem sei o quê…

Para além do que se vê,

Eu não sei nada de mim…”

 

António de Sousa, 1944

 

 

Glosa

 

 

GNOSCE TE IPSUM

 

 

Eu procuro, à flor da pele,

Ao poema, o seu sentido

Pois julguei tê-lo perdido

E, não me encontrando nele,

Encontro, em cada papel,

Uma planície sem fim

Como se fosse um jardim

De tamanho desmedido,

Mas mal nel`escrevo, rendido,

“O coração diz-me; - Sim!”

 

Portanto, insisto em escrever-me,

Vou do contexto, à textura,

Escrevo de forma segura,

Da flor da pele, chego à derme,

Vou mais fundo, sem perder-me,

E, conforme aqui se lê,

Se encontro alguém que o não crê

Que, pervertendo a procura,

Com mil farpas me perfura,

“Eu digo… nem sei o quê…”

 

Bastar-vos-ia que, ao ler-me,

Lembrásseis que essa leitura

Nunca dispensa ou descura

Uma intenção de entender-me

E eu não recuso bater-me

Por tudo quanto em mim é

Feito da força e da fé

Que escapa à gente imatura

Cuja inconstância tortura

“Para além do que se vê”…

 

Mal este frio me congele

Antes do tempo devido,

Em vez de ter-me vendido,

Terei provado o tal fel

Que é servido a todo aquele

Que esteja perto do fim

E se isto for desmentido

Por quem, ao tê-lo bebido,

Me diga não ser assim,

“Eu não sei nada de mim…”

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 06.11.2013 – 13.21h

 

 

 

Nota importante para o leitor - Quadra de António de Sousa glosada em décimas

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.