Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

GLOSANDO A POETISA MARIA DA ENCARNAÇÃO ALEXANDRE VII

25.09.16 | Maria João Brito de Sousa

digitalizar0114.jpg

 



CASA VELHINHA

Aquela casa velhinha

Foi um terno lar outrora

Teve nela uma rainha

Mas está sozinha agora


A entrada está fechada

Seco está o seu jardim

Nunca está iluminada

À volta, só tem capim


Sem cortinas nas janelas

Nem a roupa no estendal

Até as próprias estrelas

Parecem lhe querer mal


Às vezes olho pra ela

Oiço o riso das crianças

Percebo como foi bela

E tão cheia de esperanças

À noite à luz duma vela

Uma sopa fumegante

Saidinha da panela

Era seu manjar, bastante

 

Quando o dia clareava

Saltitavam de alegria

Até o galo cantava

Uma nova melodia

 

Quanto amor ali floriu

Debaixo daquele tecto

Porque será que partiu

Qual seria o seu trajecto


Aquela casa velhinha

Está só, abandonada

Deixou-a, sua rainha

Para sempre está fechada


Maria da Encarnação Alexandre

20/01/2016



CASA-MÃE



"Aquela casa velhinha"

Que, em tempos, me viu crescer,

Mora em mim, ainda é minha,

Mesmo sem nela eu viver...

 

"A entrada está fechada",

Mas há sempre uma saída,

Pr`a quem olha enamorada

A casa da sua vida;

 

"Sem cortinas nas janelas",

Posso entrar mais facilmente,

Através de todas elas,

Tanto em casas, quanto em gente...

 

"Às vezes olho pr`a ela"

E só de olhá-la, já estou,

Toda eu, dentro daquela

Que habitei, que me habitou...

 

"À noite, à luz duma vela",

Que em faltando outra energia,

Havia sempre, à cautela,

Forma de alongar-se o dia...

 

"Quando o dia clareava",

Entrava a luz, num rompante,

Na casa onde eu conquistava

Meus direitos de habitante

 

"Quanto amor ali floriu",

Quão desmedido esse enlevo...

Tão pouco a Casa pediu

E eu, à Casa, tanto devo...

 

"Aquela casa velhinha"

Que hoje é casa de outro alguém,

Era minha, era tão minha,

Quanto a minha própria Mãe...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 25.09.2016 - 10.59h