Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

ESTRELAS CADENTES

07.07.10 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
  Trago poemas nas veias E, dos poemas que trago, Moldo o barro das ideias De que nasce o mesmo barro…   São mil poemas-cadentes Cravados como punhais, Cicatrizes transparentes D (...)

INTERMITÊNCIAS E MORTE

06.07.10 | Maria João Brito de Sousa | comentar
  Naquele preciso momento Do desfraldar dos milénios, Sem que alguém o predissesse, Abriu-se a porta do Tempo E, à revelia dos génios, Não mais houve quem morresse.   Ouvi que (...)

VIDA - Ab Initio III

29.12.09 | Maria João Brito de Sousa | comentar
Não era noite nem dia. Nenhum pedaço de ser, Nenhum átomo de vida, Realmente conhecia O que iria acontecer Ao longo dessa avenida…   Nenhuma memória antiga, Nenhum rasto de passado, Nem um exemplo a seguir… E, no entanto, a fadiga Prometia ir (...)

O ABRAÇO DO COMETA II

12.10.09 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (8)
Olhou-me lá do alto da tristeza E afastou-se depois, sem se voltar Até se diluir noutro horizonte… Só depois disso eu vi que estava presa, Só depois disso eu me tentei soltar E só depois bebi daquela fonte…   Há quantos, quantos anos eu julgava (...)

ÀS VEZES É ASSIM MESMO...

08.07.09 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (6)
  Sou talvez bicho-do-mato... De passar por tanto espinho, Tanta montanha galgar, Reduzi-me ao meu recato, Solitária entre os sozinhos Que jamais irão voltar...   Mas por estranho que pareça Sinto ser bem mais feliz Do que os mais que me rodeiam... Talvez sozinha eu (...)

OUTRO POETA

06.07.09 | Maria João Brito de Sousa | comentar
Era o seu espólio de sonhos Nas terras imaculadas, Nos rios, nos mares, nos corais Coloridos e risonhos Como claras madrugadas Que nascem tarde demais…   Era tudo o que sabia E o que sonhava saber Se acaso ousava sonhar, Se o sonho se lhe tecia Quase sem (...)