Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

SEXTILHAS A UMA ESTIRPE PARTICULARMENTE VIRULENTA DE E. COLI

09.12.12 | Maria João Brito de Sousa

É só um Coli, senhor,

Mas provoca uma tal dor,

Tanto ardor, tanta agonia,

Que parece um ditador

Traçando um plano invasor

Que a Merkel lhe invejaria!

 

Estando já pronta a cultura,

Na caixinha de Petri,

Mostrou ser estirpe sem cura,

Uma entendida em tortura

Que, acima de tudo, jura

Haver de instalar-se aqui…

 

Tem seu jogo arquitectado;

Dar-me conta da paciência

E ir-me às poupanças de Estado!

Em despesas de mercado

Foi um ror que, bem contado,

Cobriria outra emergência!

Nem com cefalosporinas

De terceira geração,

Benurons, chás, aspirinas,

Cortisol, balas e minas,

Mezinhas, grossas ou finas,

Ele aceita a rendição!

 

É só um Coli, vos juro,

Mas porque é que me não curo,

Porque é que o estranho ocupante

Não morre, redondo e duro,

Por aí, num canto escuro,

E prossegue triunfante?

 

Coisas deste imperialismo

Que anda pr`aí a grassar…

Ocupando um organismo,

Boicota-lhe o mecanismo

E aproveita o conformismo

Para a vida lhe sugar…

Pobres das minhas defesas!

Meu sistema imunitário

Caiu no rol das tais presas

Que nem revoltas, nem rezas,

Nem poemas, nem certezas,

Livraram de tal fadário!

 

Um Coli, simples, banal,

Que, em desgoverno total,

Me devassa a conjuntura

E ascende, em modo imperial,

Ao despudor infernal

De me impor tal ditadura!!!


 

 

Maria João Brito de Sousa – 09.12.2012 – 11.54h



NOTA - Este poema baseia-se numa infecção real  e sofrida, no presente, pela autora. Quaisquer semelhanças com o momento político que o nosso país, ou qualquer país europeu, atrevesse, é mera coincidência...