Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

JÁ QUE ESTOU EM "MARÉ" DE POESIA DE INTERVENÇÃO...

04.02.09 | Maria João Brito de Sousa

Aqui fica um "soneto brincalhão", mas intervencionista...

 

8552384_M0n9m.jpeg

 

 

O APERTAR DO CINTO

 

 

Ó Zé, tu tem cuidado! Olha a Nação!

Olha este pobre povo esfomeado

Que vai sentindo a culpa de um pecado

Que ultrapassa qualquer compreensão!

 

O poder, ó José, na sua mão

Está, com certeza, a ser desperdiçado

E se não foste tu "O Desejado",

Muito menos serás Sebastião,

 

Mas, José, se projectos projectasses

E se as finanças tu recuperasses

Da dívida aos ladrões da grande  Europa,

 

Projectarias bem melhor país,

Porque, este, já não está nada feliz

E já nos vai tombando a gasta roupa...    

 

 

Maria João Brito de Sousa - 04.02.2009 - 21.34h

 

 

 

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    KI

    04.02.09

    De chinelinho no pé
    Zézinho vai airoso
    Vai giraço e formoso


    Leva na cabeça a nação
    O jornal nas mãos falantes
    Dá sempre passos errantes
    Nem sequer tem coração
    Mais vaidoso que o sol
    Até pensa que é farol

    Descobre se o peito moreno
    O calçãozinho de griffe
    Tem ar de néscio patife
    tão matreiro que arrepia
    a sua figura esguia
    o seu olhar traiçoeiro
    vai sorrindo e não inteiro

    Julho 2006
  • Boa! Esquecemo-nos foi de dizer a nossa marca de cigarros favorita, para quando nos forem visitar ao xilindró... ;)
  • Sem imagem de perfil

    KI

    04.02.09

    Vivia entre as couves e as farturas
    A mãe cozinheira do orfanato
    O pai - do pai não há alembraduras –
    E a tia só lhe dava maus tratos!
    Cresceu, nunca muito, é baixinho
    É do tipo que dá cabo dum país
    Ouvia histórias quando era pequenino
    E agora diz que lhe cresce o nariz!

    Vivia diligente, o pobre Zé
    Aos cinco fumava o seu finito
    De noite bebia água-pé
    E dava pontapés num canito!
    Nunca gostou muito de meninas
    Preferia outras obediências
    Não corria e nunca foi traquinas
    Gostava era de maledicências


    Daqui pr’ ali e pra todo o lado
    Aprendeu a ser arrogante
    E quando viu o cravo desbravado
    Logo pensou. – tenho de ser militante!
    Dizem que começou de joelhos,
    Más línguas, começou como aprendiz!
    Teve que aturar cromos velhos
    Mas agora é de pé que é feliz!


    Não mais lembrou a farturinha
    O churro, as frituras lá nas feiras
    À mãe comprou uma casinha
    Com o tio fez umas contas porreiras!
    Grita delambido por no more
    Que são todos muito maus
    E quando falam de offshores
    Ele fica pior que o lobo mau!

    Chamam-lhe coisas muito feias
    Pinócrates, intrujão, mentideiro!
    Perde as rosetas, ganha olheiras
    Fica quase com cara de coveiro!
    O Zé anda muito contra-feito
    Rezingão, com o canudo amarfanhado
    Cuidadinho, não vá ele ser eleito!
    Já basta a este país desgovernado!


    P.S. - Jonh Players special or Marlboro Lights please :)

    este é de agoriinha mesmo lol




  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.