Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt

EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...

NO SIÊNCIO EM QUE TO DIGO

25.11.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (4)
NO SILÊNCIO EM QUE TO DIGO * (oitavas) *   Vem! Vem sentar-te à lareira Das cinzas do meu poente... Vem, filho de toda a gente, Que eu não sou mais que uma obreira Destoutra estranha maneira De ser rainha e servente Da pequenez da semente Perdida na sementeira.   *   Senta- (...)

TODA ME PERCO DE MIM

24.11.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
TODA ME PERCO DE MIM (Décimas)   I     Só vejo sombras e vultos Por trás de coisa nenhuma... São versos feitos de espuma, Enevoados, ocultos, Confusos como tumultos, Lançando por entre a bruma Palavras que, uma por uma, Zombam de mim, como insultos, Ou dos meus (...)

DO PULSAR DESTE MOMENTO

06.09.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (11)
    DO PULSAR DESTE MOMENTO   (Décimas)   * Do pulsar deste momento (meu ventre ou minha razão?) Nasceu-me a vã tentação De ser mais livre que o vento... Só eu sei quanto lamento Não poder dizer que não Se outro momento, à traiçáo, Rouba ao meu pão seu fermento. Cerro os dentes, mas nem tento

REDENÇÃO

28.06.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (10)
REDENÇÃO *   Indeciso, é sempre a custo Que te vejo dar um passo; Nada fazes do que eu faço, Por tudo e nada te assusto... Sendo tu alto e robusto, És paradoxalmente lasso Pois sempre te fica o braço Caído ao longo do busto, Tão inútil quanto arbusto Que (...)

DE UM SONHO DURANTE O SONO

03.06.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
DE UM SONHO DURANTE O SONO * Guardando gansos me achei, No sonho de um dia destes, Por descampados agrestes Que não vi quando acordei, Porém do sonho guardei Um cheiro a frutos silvestres E outros aromas campestres Que descrever já não sei, Nem tão pouco jurarei Vi (...)

APERTO(S)

30.03.19 | Maria João Brito de Sousa | comentar
    APERTO(S) * Se já não sei quem sou eu porque tudo em mim mudou, sei que algo de meu ficou do tanto que se perdeu quando o corpo que era o meu por minutos vacilou, partiu, perdeu-se e voltou da amarga volta que deu por essa noite de breu que não quis, que rejeitou. * (...)

TALVEZ UM FADO

04.01.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
TALVEZ UM FADO * (Memórias de minha mãe, subindo a escada) I Oiço um longínquo rumor De passadas vagarosas Muito embora, pressurosas, Se aproximem, dor a dor, De mim, que as já sei de cor, De mim, que as sei dolorosas. II São passadas muito antigas Que (...)

VELHAS LUTAS, TEMPOS NOVOS

02.01.19 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
VELHAS LUTAS, TEMPOS NOVOS   (Nonas)   I Velhas lutas, tempos novos E novas contradições Vão comandando as paixões E as (in)decisões dos povos Que, nunca se repetindo, Vão indo e vindo, indo e vindo, Parecendo quase iguais Às dos nossos ancestrais Que há muito (...)

ADEUS, 2018!

31.12.18 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
ADEUS, 2018! * Num relógio que não tenho, Tica-taca, os dois ponteiros Vão avançando certeiros Até que surja um desenho Singular, mas nada estranho, No qual ambos os roteiros Convergem, ficando inteiros, Como se iguais de tamanho. * Só por sessenta segundos (...)

UM BRINDE AO ANO QUE ESTÁ QUASE A CHEGAR

30.12.18 | Maria João Brito de Sousa | ver comentários (2)
UM BRINDE AO ANO QUE ESTÁ QUASE A CHEGAR * Vagarosos, vagarosos, Deuses de vários formatos, Traçam seus planos abstractos, Desatentos, mas teimosos, Por vezes tão rigorosos Que chegam a ser exactos E sempre incluem maus tratos, Onde lhes pedimos gozos... Serão (...)