.EIS AS MONTANHAS QUE OS RATOS VÃO PARINDO

por muito pequenos que pareçam ser... NOTA - ESTE BLOG JAMAIS SERVIRÁ CAFÉS! ACABO DE DESCOBRIR QUE OS DOWNLOADS SE PAGAM CAROS...
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017

PAPÉIS VELHOS

(Décimas)

_papelada-e-burocracia1.jpg

 



(Décimas)



Ela é tanta, a papelada,

Que a casa está “do avesso”

E em cada papel tropeço,

Meia desequilibrada...

Da roupa, toda espalhada,

Nem vos falo e reconheço

Ter a doença alto preço;

Nada faço e estou estafada,

Velha, rota, amachucada,

Como os papéis do começo...



Quase na terceira idade,

Tenho de andar de bengala

E ao peso de uma só mala

Curvo a própria identidade

Porque a força se me evade

E perco sorriso e fala...

Doença não é cabala

E não será por maldade,

Só por hereditariedade...

Por isso a voz se me cala,



Que esta trama das heranças

Tem muito que se lhe diga;

Se, no belo, a muito obriga,

No mal, tal como as Finanças,

Faz sempre as suas cobranças,

Não se mostra nada amiga

E, sem culpas, nos castiga

Sem nos dar grandes esp`ranças

De curas ou de bonanças...

Herdei, mas fiquei mendiga!



Certo foi, também, que herdei

Grandes riquezas, não nego,

E deste meu desapego

Devo dizer que gostei,

Bem como o pouco que sei

E o muito desassossego...

Mas vê-se um poeta “grego”

Ao penar quanto eu penei!

E agora? O que farei

Com este olhar meio cego?



Papelada, papelada,

Velha e rota como eu estou,

Que destino é que te dou,

Se há que manter-te guardada

E já nada cabe – nada! -

Na casa que me (a)guardou?

Como tu, afinal, sou,

Pois já não sirvo pr`a nada

E tenho a casa ocupada

Por quanto de mim sobrou...







Maria João Brito de Sousa – 26.10.2017 - 11.50h

 


rematado por poetaporkedeusker às 16:19
link do post | remate | adicionar ao produto final
|
Terça-feira, 24 de Outubro de 2017

HÁ SEMPRE UM MOTOR DE BUSCA...

Motor de busca.png

 

(Sonetilho de dupla coda)

 

Há sempre um motor de busca

Neste infindável processo

Da corrida imensa e brusca

Que nunca terá regresso,

 

Que nenhuma luz ofusca,

Pois faz parte de um progresso

Que eu, mesmo não sendo “cusca”,

Sempre analiso, confesso...

 

Nas horas da prospecção,

Desta complexa matéria,

Fica-me a concentração

 

Dispersa, hesitante, etérea,

E renasce a confusão

Que nem sempre levo “à séria”...

 

(nesta infinda-dimensão,

nem terrestre, nem aérea,

pr`a que me serve a razão,

 

senão pr`a fazer “pilhéria”?

Busca, motor! Busca em vão

coração... numa bactéria!)

 

 

Maria João Brito de Sousa – 24.10.2017 – 16.57h

 


rematado por poetaporkedeusker às 17:12
link do post | remate | adicionar ao produto final
|
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017

SOLIDÃO

Julio - Mulher recostada.jpeg

 (Décima)

 

 

Solidão de solitária

solidamente abrigada

na robustez estruturada

de uma raiz temerária,

quem te queira, a ti, contrária,

volátil, frágil, plasmada

na voz desarticulada

da confusão mercenária,

condena-te a ser falsária,

queima-te... em chama apagada!





Maria João Brito de Sousa



(Décima não datada, casualmente encontrada nos meus ficheiros Word)

 

Imagem - Desenho de Júlio

 

 


rematado por poetaporkedeusker às 20:17
link do post | remate | ver remates (2) | adicionar ao produto final
|
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017

GLOSANDO UM MOTE DE RAYMUNDO SALLES

Chagall_Over_Village_1924a.jpg

 

Mote

 

Falar da trova a contento,

Tem se tentado de tudo,

Transcende o nosso talento

Sua beleza, contudo.

 

Raymundo Salles (Brasil)

 

Glosa

 

Se respondo, ou se o não faço,

Se me tento, ou me não tento,

Nunca o sei, nunca o lamento,

Nem tampouco me embaraço,

Pois há sempre este cansaço

Que me torna o verso lento,

Por muito que, havendo intento,

Se me evada o gesto lasso

E eu consiga, passo a passo,

“Falar da trova a contento”

 

Pode ser que sim... ou não,

Que em versejo, assim, “chorudo”,

Bem poucas vezes me iludo,

Nem, perdida em confusão,

Deixo de dar, à Razão,

Honras de ouro e de veludo

Quando alguém, num espanto mudo,

Vem pedir-me opinião

E afirma, numa aflição;

“Tem-se tentado de tudo”!

 

Sei que, por vezes, nos falta,

Na estrofe, o discernimento

Que conduz poeta atento

Ao que em poema se exalta

Se cada sílaba assalta,

De rompante, o sentimento,

Como a luz que ao firmamento,

Todo inteiro, sobressalta

E por estar no céu, tão alta,

“Transcende o nosso talento”!

 

Porém... tentemos, ainda,

Mudar um verso”bicudo”,

Noutro mais grave e sisudo

De que um leitor não prescinda

Em melodia tão linda

E que, a ele, o torne mudo,

Já rendido e, sobretudo,

Preso à luz, que nunca finda,

Dos mistérios que deslinda

“Sua beleza, contudo”...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 09.02.2015 – 10.00h

 

Imagem - "Over the Village" - Chagall

 


rematado por poetaporkedeusker às 15:29
link do post | remate | adicionar ao produto final
|
Quinta-feira, 7 de Setembro de 2017

POETANDO

digitalizar0036.jpg

 

Lembro que um patinador

Patina, não faz patins,

Nem outras coisas afins,

E que qualquer bom escritor



Escreva, ou não, regularmente,

Não escritura, escreve mesmo;

Ainda que o faça a esmo,

Escreverá concretamente,



Portanto, lá vai escrevendo,

Seja verso ou seja prosa

E mesmo que abrace a glosa,

Também escritor estará sendo,




Pese esta irregularidade

Com que o mesmo se confronta

Nessa acção, quando não conta

C`o verbo, em desigualdade...



Quem medica não “virou”

Fábrica ou laboratório!

De hospital ou consultório,

Para médico estudou



Farmacêutico, estudando,

Não quer farmácias erguer;

Muito tem para saber,

Mas não está farmaticando.



O bom produtor, produz,

Não produta, de certeza,

Tudo quanto chega à mesa

De um condutor... que conduz



Talvez algum camião

Que na estrada vá rodando,

Em vez de estar camionando...

Eis outra contradição!



Remador, não faz reminhos,

Faz dos remos profissão!

Remando exerce a função

De ir varando os seus caminhos...



Arquitecto faz projectos,

Mas não passa a projector

Por produzir tal labor

Nos seus diversos aspectos,



No entanto, é projectando

Que vai pela vida fora;

Projecta enquanto labora

No que vai arquitectando...





Por que deve um espectador

De um qualquer filme que passe,

Sentir-se tal qual espetasse,

Quando passa a espetador?



E o que impede um poeta

De ir por aí poetando

Os versos que for gerando

Se um poema é sempre a meta?



Poetando, não me assumo

Grávida de poetinhas,

Mas assumo serem minhas

Estas quadras. Meu, meu rumo!





Maria João Brito de Sousa – 07.09.2017 – 11.26h







 


rematado por poetaporkedeusker às 12:17
link do post | remate | ver remates (2) | adicionar ao produto final
|
Terça-feira, 5 de Setembro de 2017

SEM SAIR DO MEU LUGAR

Picasso - Femme Assise.jpg

 

Bebi de todas as fontes

Que por cá pude encontrar;

Andei por terra e por mar,

Escalei escarpas, subi montes

E fui rasgando horizontes

Sem sair do meu lugar.



Paradoxal, na postura,

Crio de dentro pr`a fora;

A mil milénios por hora

E nunca um pneu se me fura,

Nem desgasto a viatura,

Ou a multa me apavora,



Mas, pr`a dizer a verdade,

Vez por outra me ressinto

De estar neste labirinto

E vem roer-me a saudade

De andar sem dificuldade,

Sem destino e por instinto,



Em vez de estar dependente

Da boleia ocasional

Pr`ó GIP ou pr`ó hospital

E incomodar tanta gente

Por ter ficado impotente

Pr`á locomoção normal...



Quaisquer cinquenta passinhos

São, pr`a mim, uma odisseia

Pois logo a dor me golpeia;

Passo a passo, ando uns metrinhos

Sobre estes pés tolhidinhos

Pela força que escasseia...





Maria João Brito de Sousa – 05.09.2017 – 11.22h



(… a brincar, a brincar... mas retratando fielmente a minha realidade)

 

IMAGEM - "Femme Assise" - Pablo Picasso


rematado por poetaporkedeusker às 13:00
link do post | remate | ver remates (2) | adicionar ao produto final
|
Segunda-feira, 4 de Setembro de 2017

O PRIMEIRO ESPINHO

 

 

digitalizar0040.jpg

 

I

 

O menino não dormia,

Gemia muito baixinho

Esperando, no seu escaninho,

Que rompesse um novo dia.

 

Teimosa, a chuva caía

Num compasso miudinho;

Era a hora do soninho,

Mas nenhum sono surgia

 

E a noite era uma agonia

Roendo, devagarinho,

Esse menino sozinho

 

Que eu nunca mais esqueceria

De ter visto, em noite fria,

Fazer de um canteiro um ninho...

 

II

 

Num impulso de carinho

Que eu, menina, lhe devia,

Perguntei-lhe se podia

Sentar-me no seu cantinho,

 

Conversar um bocadinho,

Perguntar porque gemia

E até dar-lhe uma fatia

Do meu pão. Tão poucochinho!

 

Mas, assim, pelo caminho,

Nada mais encontraria...

(para mim mesma dizia)

 

Dei-lhe o pão todo inteirinho

E afastei-me de mansinho

Sem sequer ver que o comia,

 

III

 

Que, de súbito, sorria

Apesar do frio. Que linho

Lhe cobriria o corpinho?

Que chama o aqueceria?

 

 

Caminhando, reflectia

Sobre a vida e o pobrezinho

Tão pequeno, tão magrinho...

Da reflexão me nascia

 

Algo que hoje me arrepia,

Algo amargo, algo daninho

Sobre “sorte” e descaminho;

 

O que era que em mim crescia

E de amargura me enchia?

Era o meu primeiro espinho.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 03.09.2017 – 19.17h

 

(Reservados os direitos de autor)

 


rematado por poetaporkedeusker às 07:00
link do post | remate | ver remates (2) | adicionar ao produto final
|
Domingo, 3 de Setembro de 2017

CINCO QUEDAS POR MINUTO...

cinco quedas por minuto.jpg

 

 

 

(Décimas)

 

 

Quando a ligação nos cai

Cinco vezes por minuto,

Nem sequer o mais astuto

Deduz aonde ela vai

E até a Razão nos trai,

Escondida nalgum reduto

Como o verde, verde fruto

Que ainda mal sobressai...

Tudo, enfim, se nos subtrai,

Seja qual for o produto,



Mas se nada lhe comuto,

Eis que a “queda” se retrai

E, sem dizer um só “ai”,

Esquece o poder absoluto,

Abdica desse usufruto,

Vai para longe - “bye bye”! -

E eu lá escrevo o que me sai

Destas mãos com qu `inda luto;

Verso franco e resoluto,

Não cede, nem se distrai!





Maria João Brito de Sousa – 03.09.2017 – 17.02h

 

(Reservados os direitos de autor)

 

 


rematado por poetaporkedeusker às 19:00
link do post | remate | adicionar ao produto final
|
Sábado, 2 de Setembro de 2017

POR TER SEDE, FUI À FONTE

Por ter sede, fui á fonte.jpg

Quis matar a minha sede,

Mas secara o fontanário

E a sede, pelo contrário,

Cresce mais, já nem se mede,

Ninguém, nem nada a impede

De ir-se tornando um fadário...

 

Tenho sede quanto baste

Para encher o mundo inteiro

De outra que nos vem primeiro,

De uma que não tem desgaste,

Mesmo que a água me arraste

Como às algas, num ribeiro.

 

Não a mato; mata-me ela,

Pois sem água ninguém vive

E a sede que tenho e tive

Não se vai, nem se protela,

Com esta gotinha dela;

Tenho sede de ser livre!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 02.09.2017 – 22.18h

 

(Reservados os direitos de autor)

 


rematado por poetaporkedeusker às 23:30
link do post | remate | adicionar ao produto final
|
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017

CHUVA DE AGOSTO

CHUVA DE AGOSTO.jpg

 

Chegou vestida a rigor

Com relâmpagos nos braços

E trovões a anunciá-la,

Mas, depois, deu-se o pior;

Recuou dois ou três passos,

Meteu-se inteira na mala...

 

Não sei se vem sem vigor,

Se rendida aos seus cansaços...

Sei lá se deva chamá-la!

Mas eis que volta! Em redor,

Tudo é marca dos seus traços

Nos vidros da minha sala...

 

 

Maria João Brito de Sousa – 28.08.2017 – 16.00h

 

(Reservados os direitos de autor)

 

 

tags: ,

rematado por poetaporkedeusker às 16:28
link do post | remate | adicionar ao produto final
|

.OS PORQUÊS...

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
27
28

29
30
31


.posts recentes

. PAPÉIS VELHOS

. HÁ SEMPRE UM MOTOR DE BUS...

. SOLIDÃO

. GLOSANDO UM MOTE DE RAYMU...

. POETANDO

. SEM SAIR DO MEU LUGAR

. O PRIMEIRO ESPINHO

. CINCO QUEDAS POR MINUTO.....

. POR TER SEDE, FUI À FONTE

. CHUVA DE AGOSTO

.ARMAZÉNS DO FUTURO

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.PROMOÇÕES:

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

.links

http://www.avspe.eti.br/poesias/MariaJoaoBritodeSousa/Poesias.html http://www.avspe.eti.br/poesias/Sonetilhos.htm

.Remates

.subscrever feeds